Polícia de Newark começa a esclarecer morte de brasileiro

Crime que comoveu a comunidade brasileira em Newark, NJ. O brasileiro Dario Rodrigues, de 64 anos, natural de Belo Horizonte foi brutalmente assassinado em seu apartamento na noite de 3 de julho de 2015. A polícia de Newark, após uma breve investigação, prendeu o brasileiro Filipe Amaral suspeito de ter cometido o crime. Novas investigações, e relatos de familiares informaram que Filipe Amaral foi expulso de seu apartamento, onde morava com Dario por problemas financeiros.

Segundo informações de familiares, Felipe estaria devendo uma quantia em dinheiro para Dário Rodrigues e segundo familiares Dario ainda teria uma quantia guardada em seu apartamento de cerca de 30 mil dólares, dinheiro que ainda não foi recuperado.
A prisão de Filipe Amaral foi um alívio para a comunidade brasileira em Newark onde a violência está em constante crescimento nos últimos anos.
Parabéns para a polícia de Newark onde se mostrou eficiente em esclarecer rapidamente um episódio triste para a comunidade.

Leia mais

Policia de Newark convoca comunidade do Ironound para falar sobre segurança.

A Policia de Newark  "Newark Police Third Precinct" convocou residentes e comerciantes do Ironbound nesta quinta feira para uma reunião onde foi debatido assuntos referentes à segurança do bairro, agravado severamente pelo assassinato do imigrante português, Agostinho de Souza. Mais de cem pessoas de várias etnias, estiveram presentes e muitos relataram casos de violência em suas próprias familias e cobraram veemente mais proteção. O prefeito da cidade de Newark, Ras Barack, o Chef de Policia Anthony Campos e o Capitão Joseph S Pereira explicaram  que o numero atual do quadro policial que atende o bairro, realmente esta abaixo do necessário, devido à aposentadoria recente de vários renomados oficiais.  Anthony Campos informou que até o final de 2015,  mais 150 policiais que se encontram em treinamento na academia, serão ingressados no  patrulhamento no bairro, reforçando a segurança.

((Anthony Campos,  chefe de polícia encorajou os moradores a denunciar qualquer tipo de violência, independente do status migratório. Muitos não denunciam devido ao status migratório, mas ressalta que isto em nenhum momento isto será questionado. "As pessoas precisam denunciar”, acrescentou ele.))

Muitos comerciantes brasileiros estiveram presentes e relataram a preocupação com esta onda de violência,  que afeta seus negócios, principalmente donos de restaurantes e responsáveis por remessas em dinheiro para outros paises. 

José Moreira, proprietário do Casa Nova Grill, disse que devemos nos unir, pois somente um grupo de pessoas consegue encontrar o caminho para resolver os problemas de segurança em toda comunidade.

Correia, proprietário do Delicias de Minas, disse "Apoio a policia na busca de maior proteção para a comuninade, tudo o que for feito para tentar melhorar a segurança, merece respeito"

Luciano Trajano, proprietáio da Pontal Brasil, responsável por fazer remessas finaceiras para outros paises e obrigado a ter suas portas abertas aos seus clientes, disse ter instalado quatro câmeras externas em sua loja e expressou também seu apoio à decisão da Policia de Newark em reunir a comunidade para falar sobre segurança. 

A professora de Ingles e comerciante, Ana Oliveira relatou dois casos recentes de violência contra seu irmão, no bairro do Irnbound e pediu mais segurança.

Fernanda Santana, contabilista, expressou com coragem sua indignação com a falta de segurança no bairro, exigindo respostas e atitudes da policia e da cidade. 

 

Conforme Anthony, as denúncias podem ser enviadas à Força Tarefa de Homicídios através da Tip Line:(877) 847-7432 ou no programa Crime Stoppers: (877) NWK-TIPS (695-8477), as ligações são sigilosas e, caso elas levem ao paradeiro e prisão do criminoso, existe a possibilidade de recompensas de até US$ 10 mil.

 

O Capitão Joe Pereira, tel.: (973) 733-6195, é responsável pela 3ª Delegacia, na Market St., que atende o bairro do Ironbound.

 

By Vera Reis.

 


Leia mais

Lavagem da Rua 46 (The Cleansing of 46th Street, 2015)

Em face aos rumores publicados nas redes sociais e em alguns veículos de comunicação, informamos que o evento anual Lavagem da Rua 46, criado e desenvolvido por Silvana Magda, não será realizado este ano na Little Brazil, como acontecia há oito anos. Por razão de um conflito de datas com outro evento na rua 46, uma fração da Lavagem da Rua 46 será realizada no Lincoln Center, como parte do Festival Lincoln Out of Doors, no dia 2 de agosto, às 19h. 

“A Lavagem da Rua 46 teria sua oitava apresentação em 2015, numa evolução constante. Porém, fomos bloqueados de realiza-la na Little Brazil e aceitamos o convite da Marta Moreno Veiga do Caribbean Cultural Center e do Lincoln Center para fazer este evento", diz Silvana Magda. 

Numa apresentação menor que a tradicional, as baianas e as Filhas de Gandhi se apresentarão no Damrosch Park Bandshell do Lincoln Center. “Nossa alegria, o som dos agogôs, dos berimbaus, e o chacoalhar dos colares das baianas de todas as partes mostrarão como é a Bahia, o Brasil, ao lado do parque urbano mais celebrado do mundo, com muita dança, axé e aya-y-hou no Central Park,” completa Silvana. 

Logo após a apresentação das baianas, a Lavagem apresenta o show de Tatau, o dono da voz e do embalo de músicas marcantes como “Araketu é Dez”, “Araketu é Bom Demais”, e “Mal Acostumada”. O ex-vocalista da banda Araketu fará o show exclusivo da Lavagem da Rua 46, no Columbus Circle. 
A apresentação e dança das baianas, este ano, em parceria com o Caribbean Cultural Center, conta com a participação de muitas comunidades latino-americanas. Trinidad e Tobago, Cuba, República Dominicana e do Haiti, juntamente com outros povos caribenhos que residem em Newark (NJ), uma das cidades que mais acolhem brasileiros nos Estados Unidos. Com muito axé, a Lavagem aglutinará todos no círculo da celebração. 

“Realizamos este evento com amor e dedicação pois sabemos que a proposta maior é unir os brasileiros de todas as partes com as tradições do Nordeste brasileiro, seja pulando, cantando, dançando, ou saboreando nossas deliciosas comidas”, acrescenta Silvana. “A Lavagem se resume em alegria plural, pois é o momento de rever os amigos, conhecer outras gentes. Seja na Rua 46 ou em qualquer parte do mundo, ou de Manhattan, a Lavagem da Rua 46 é timbau, é agogô, é berimbau, é Brasil, é a Africa, os países caribenhos, os EUA, é o nosso planeta.” 

A Lavagem tem o apoio do Consulado-Geral do Brasil em Nova York, da Embratur, e da comunidade brasileira, assim como da imprensa comunitária e de patrocinadores. 

Silvana Magda é a diretora geral da Lavagem da Rua 46. Para participar e obter mais informações sobre este evento, contate Silvana através dos telefones: (917) 528-8151, ou envie e-mail para smkatende@aol.com . 

Contamos com a presença de todos, dos parceiros e admiradores da Lavagem da Rua 46.

Leia mais

Telexfree, o fim esta proximo

Depois de quase 2 anos de paralizações, está por pouco o pronunciamento da Juíza Thaís Khalil sobre a Telexfree, e tudo indica que será feito no dia 29 de julho.
Os advogados da Telexfree tentaram com todas as força invalidar a perícia feita pela empresa Ernest Young, no qual aponta para pirâmide financeira, mas a juíza já se pronunciou dizendo que já havia informações suficientes para uma condenação ou absolvição da empresa.
Passa longe a idéia de que ela seja absolvida, pois nestes 2 últimos anos, o mercado percebeu que outras 200 empresas abriram as portas (quase sempre virtual), e saíram no prejuízo dos divulgadores sem maiores conseguências. A própria Telexfree americana tentou abrir falência por impossibilidade de pagamento aos credores e está fechada pela justiça.
A pouco mais de 2 meses, houve uma reviravolta no mercado mundial e os administradores dessas empresas estão enfrentando uma justiça dura. O CEO da Telexfree Jim Merril, está em prisão domiciliar, Carlos Wanzeller foragido e Sanderley Rodrigues também segue preso e será julgado por mais 3 ou 4 crimes. Somente no Brasil, os diretores estão soltos, fomentando ódio contra o Ministério Público e indignação com a justiça do Brasil.

Devolução dos valores investidos

No meu ver, a única chance dos divulgadores serem ressarcidos é a condenação da empresa, pois algum dinheiro ainda está preso em juízo e seria dividido aos que investiram e não tiveram retorno. Se por alguma obra do além, a empresa fosse inocentada, o dinheiro iria ser imediatamente consumido pela diretoria ou enviado para paraísos fiscais. Infelizmente, ainda sobram alguns divulgadores que foram ludibriados a pensar que a empresa quer a devolução do dinheiro, mas isso não é verdade. A empresa recusou qualquer tentativa de TAC (Termo de ajuste de conduta) oferecida e vai tentar a todo custo, recuperar o dinheiro bloqueado para os cofres da empresa. Com a sede fechada, se liberada a Telexfree vai trabalhar vendendo perfumes ou shakes energéticos ?

Muitas notícias estão por vir, fiquem atentos !

Leia mais

Brasileiro Daniel Filho capturado pelo FBI (DFRF Enterprises)

Menos de 24 horas após aparição em um programa de rádio local em Massachusetts, o brasileiro CEO da DFRF Enterprises foi capturado pelo FBI em Boca Raton quando saía de um restaurante.
O empresário estava foragido à duas semanas quando foi emitida a sua ordem de prisão após o SEC congelar seus bens e suas operações nos Estados Unidos, acusado de aplicar um golpe financeiro (pirâmide financeira). Filho é acusado de desviar mais de $12 milhões de dólares de seus investidores, além de gastar cerca de $6 milhões em bens pessoais como carros de luxo, viagens e restaurantes.
Em seu programa de rádio semanal, o jornalista Beto Morais entrevistou Daniel Filho, onde pediu paciência e confiança, pois tudo não se passava de um mal entendido das autoridades e que seus negócios iriam continuar a funcionar fora dos Estados Unidos.
Daniel Filho, se condenado pode pegar até 20 anos de prisão, mais 3 anos de condicional e uma multa de até $250 mil dólares.

Leia mais

Videos